Wednesday, September 22, 2021

 

 

Acordar

 Acordar é difícil,

à minha frente

não vejo um tempo novo

fecho os olhos mas é

um gesto fútil

porque não voltarei

já sei a adormecer.

 Cumpro então um ritual:

espreitar o Facebook,

ver o que se passa por ali.

Tempo perdido,

mas se não faço sequer

o esforço de o perder

o que farei então de tanto tempo

que do dia me sobra

e de noite me ensombra

porque nada de novo fui fazer?

 Definir o que é novo?

Na velhice adiantada

só o disfarce é novo

e tudo o mais é nada

me diria o poeta.

 Impossível amar,

pois já se amou demais

e ainda menos lembrar

o que passou.

 Assim vai indo o tempo

neste correr de vida.

Não foi desperdiçado,

mas é difícil viver

estando acordado.

 (22 de Setembro, 2021)

 

 


 

 

Lendo Sérgio Ninguém, PEDRA II

 

Não é fácil pegar fogo

ao coração da pedra

pequeno seixo polido

por tantas águas antigas

as chamas já apagadas

na cicatriz das feridas

ali estavam as infâncias

as brincadeiras de outrora

primeiro beijo roubado

nas memórias esquecidas

 

variante: as chamas já feitas cinzas

 

16 de Setembro, 2021

Wednesday, September 08, 2021

 Desfazem-se corações

pelo caminho

são as pequenas pedras que pisamos

deixamos para trás tanto carinho 

e agora o que queremos

não sabemos

e nunca saberemos

o que com eles 

poderia ter sido

outro destino...