Friday, April 27, 2007

Manuel Alegre



Chega Manuel, com as Doze Naus :
....
"Entre aquém e além ser e não ser
tantas portas abertas ou talvez nenhuma.
Não há senão um verso por escrever
e sobre a areia branca a breve espuma."

Sente-se em alguns dos poemas uma inquietação melancólica, uma interrogação perplexa, uma quase lamentação interpelando um deus que continua escondido, uma voz que ainda não se fez ouvir, um verso que ainda não foi escrito: "Agora tenho de escrever o poema/ porque nada está escrito.E o que se acaba não acaba"...
É assim mesmo o tempo do poeta, cruza os mares da vida numa viagem sem fim.

6 comments:

Sofia Loureiro dos Santos said...

Obrigada pelo aviso. É um livro excepcional.

ruin-zinho said...

Gostei do blog e fiquei contente por ter tropeçado nele. Continuação de bom trabalho.

Sofia Loureiro dos Santos said...
This comment has been removed by the author.
Sofia Loureiro dos Santos said...

Tenho muita pena de não ter assistido à apresentação do livro de Manuel Alegre, mas estava ausente, em trabalho. Resta-me lê-lo e relê-lo, até que as suas palavras sejam também minhas.

Yvette Centeno said...

Sofia,
O meu texto está no blog do Manuel, pode ser lido aí, se tiver curiosidade.
Um abraço, Yvette

Sofia Loureiro dos Santos said...

Yvette Centeno: não sabia do blogue do Manuel Alegre. Ou seja, pensava que estivesse desactivado.
Obrigada.