Thursday, April 12, 2007

DALI



Um lema para todos os criadores:
"Desde pequeno o meu lema é o de Montaigne: não se consegue o universal senão a partir do ultra local" (Salvador Dali ).
Assim, em Figueras, se ia formando um génio cuja obra teve e tem reconhecimento indiscutível.
Pergunto, quem tem medo de ler Montaigne, hoje em dia, quem reflecte sobe a sua escrita sóbria, nítida, exemplar ? Do alto da sua Torre nenhum detalhe, nenhuma observação, lhe escapa.
Mas vinha isto a propósito de mais um achado meu nas caixas do CAVE CANIS: a reprodução da primeira novela de Salvador Dali, incompleta, e que o grupo transcreveu para a tornar acessível. Datada de 1920, já revela a imaginação prodigiosa que será sua marca, a par do gosto do local, neste caso uma pequena povoação perto de Figueras, onde situa o enredo. Mostro, para que conste, sem mais. O título é Tardes d'estiu, e a edição foi feita ao cuidado de Victor Fernandez. Escrito em catalão, seria interessante traduzir este texto, ainda que se trate de um fragmento.

4 comments:

henriquepadeiro said...

Cara Yvette, não obstante lhe enviar os meus textos por correio, posso-lhe enviar um ou dois Contos para e-mail de modo a me fazer uma critica honesta para eu colocar na contra-capa do meu livro...
para tal solicito-lhe e-mail.
Um abraço
Henrique

Yvette Centeno said...
This comment has been removed by the author.
Sofia Loureiro dos Santos said...

O seu blogue é um bálsamo sereno. Obrigada

inominável said...

está uma exposição de Dalí aqui, por estas bandas de Berlin...

e concordo em absoluto com a ideia da tradução... e Dalí nem é o meu favorito...