Friday, January 11, 2019

Mariana Viana e o Físico Prodigioso de Jorge de Sena




Mariana Viana e o Físico Prodigioso de Jorge de Sena

 Pego no que chamo o LIVRO DE OURO.
É preciso rasgar o papel (que pena...) e abrir uma caixa, desdobrar um livro que é tanto para ver como para ler, pois estamos perante uma original concepção que envolve texto e ilustração, fazendo deste objecto algo surpreendente um livro de Arte, um livro de Artista, no pleno sentido da palavra.

 

 Um ilustrador não é alguém que se limita a reproduzir com desenhos, melhor ou pior, o texto que lhe foi dado a ler.
É alguém que o interpreta dando-nos a ver uma outra realidade, filtrada não apenas pelo sentido da narrativa, mas sobretudo pelo seu próprio imaginário, que se abre e nos abre a outras sugestões, novas e inovadoras imagens que a leitura normal, só por si, não permitiria.

 

É certo que também a leitura não deve, nem pode ser, de sentido único. Porque a escrita não o foi. O imaginário do escritor, e em especial referindo-me a esta obra de Jorge de Sena, é aberto, é variado e múltiplo e exige um olhar igualmente aberto e variado. Não terá sido fácil trabalhar sobre uma narrativa tão apoiada em tanta erudição, prosa arcaizante, ambiente medieval, personagens que são intermediadas pela lírica de Amor, por trovas da tradição popular, (sublinhando Sena que são recuperações, mas de sua autoria) e ainda por referências implícitas que nos é impossível ignorar, ao Fausto de um Goethe que Jorge de Sena bem conhecia, e do qual recupera o grande tema central da paixão e entrega ao amor e à vida, embora o enquadre em ambiente cavalheiresco de aventuras que não serão já lidas no nosso tempo, que perdeu memória e cultura.
E estará na hora de reler...
O leitor segue aquilo que o autor propõe. Mas não se diz que uma imagem vale mais que mil palavras? E assim é. A imagem vai directa à emoção que provoca, de repulsa ou maravilhamento, faz apelo a outras estruturas do nosso cérebro, Jung falaria de sub- ou de in-consciente, individual ou colectivo.
Explicando melhor, sem querer impôr a minha opinião, neste caso da obra de Jorge de Sena, ilustrada por Mariana Viana:
O texto é do domínio da razão, da consciência racionalizante daquele que escreve, enquanto escreve. A pintura (neste caso a que agora me refiro) ilustra o sentido emocional da reacção que o texto provoca, e eleva-o para um outro patamar, de um Belo não-racional, mas apesar disso fiel à matéria ali posta por escrito. E recupera mitos e arquétipos que traz à luz do dia, arrancando-os da sombra em que estavam enterrados.


Lidamos, sem dar por isso, se calhar, com duas esferas que se completam –mesmo quando aparentemente se antagonizam: um texto realista, com ilustrações abstractas, modernistas, por exemplo. Ou desenhos realistas para um texto surrealista. Nada é impossível, a questão é que se encontre o fio desta meada que nos conduz de um a outro momento da inspiração de um e outro artista. A imaginação criadora do escritor é livre, mas livre é igualmente a imaginação do ilustrador.
A palavra abre a imagem, e a imagem devolve-nos à palavra. A palavra conduz-nos pelo mundo das ideias, a imagem conduz-nos por outras formas que mais do que ideias (racionais) serão puras emoções e quase não precisam de sentido, apenas de empatia, o Belo não pede respostas, mas adesão emocional.
Jorge de Sena não facilita a vida ao seu ilustrador. A sua cultura, a sua erudição, enorme, aprisiona, em vez de libertar.
 E a mão de quem pinta, nestas páginas de O Físico Prodigioso, serviu-se igualmente da sua cultura e do seu imaginário, sem peias, variando de esboços só aparentemente simplificados, no claro escuro que evoca um Munch e as suas figuras esquálidas, até à côr forte, de pincelada intensa, evocando Kokoschka, de um expressionismo que se afirmou quase violento para a sensualidade pedida.
Deparamos com um par Andrógino que não tem a riqueza esplendorosa do Beijo de Klimt (mas revela o seu conhecimento), nem tem a ternura do Casal Vieria-Arpad (mas revela igualmente o seu conhecimento). E o que demonstra é que no pintor, o Ilustrador, neste caso, tanto como no Escritor o que temos presente é a Cultura: será preciso aludir ao mito do Andrógino, de Platão?
Voltemos às Ilustrações, ao conjunto de pinturas escolhidas:
São pinturas que sublinham, pelo excesso, por vezes com um toque surrealista (sim o imaginário à solta, como desejaria Breton) a abordagem feita por Sena de múltiplos estilos, prosa, canções (uma erudição não contida), de um realismo arcaizante e belo, ao mesmo tempo. Surpreende, não aborrece. E ajuda a ampliar a narrativa.
Jorge de Sena escreve, na Nota Introdutória ao livro, de que retiro extractos:
“Este O Físico Prodigioso teve a sua primeira edição, quando foi incluído em Novas Andanças do Demónio, colectânea de contos meus publicada em 1966. Descoberto como “conto fantástico” poe E.M.de Melo e Castro, foi incluído na reedição, por ele preparada, da Antologia do Conto Fantástico Português, de 1974. Aquele físico, (ou médico, ou mágico, no sentido medieval e ainda ulterior ) que eu criei, como símbolo da liberdade e do amor, quando escrevi dele em 1964, no Brasil, retoma enfim a sua independência, e sai sozinho pelos caminhos do mundo, tal como aprece na narrativa que é sua. Ocorre-me que lhe cumpre andar sozinho nas mãos dos leitores, como sucedeu com o ilustre Malhadinhas de Aquilio Ribeiro, saído também das páginas do livro de contos em que primeiro aparecera”.


O autor compraz-se na independência que o seu conto adquiriu, em nova edição, porque este físico é, como ele diz, “ meu muito bem-amado filho entre outros, e que sempre tive por como que um ‘alter ego’ ”.
Segue defendendo, ao contrário da elogiosa definição de Melo e Castro de “modelo” para o seu conto, abrindo o conceito a uma “fusão de invenção própria com o mais profundo da natureza humana, parte do que é o inconsciente colectivo e comum a várias civilizações, muito do que é ‘popular’, ou o foi e ainda significa” (p.9). Refere depois uma das suas fontes, o Orto do Esposo, texto anónimo do século XV que, como erudito honesto que é, nunca deixaria de citar. Mas fá-lo para desde logo para o demonizar e fazer divergir do original, actualizando-o, a seu modo, e tornando-o universal e arquetípico. Alude ao que já verificámos, mas explica melhor: “experiemntalismo narrativo, jogando com o espaço, o tempo, repetição variada do texto, etc.
é uma das bases essenciais desta novela, como o é a Idade Média ou algo de semelhante, fantástica, em que a situei. Esta “época” permitia-me uma liberdade de imaginação em que o fantástico, com todas as implicações eróticas e revolucionárias como eu sentia ferver em mim na pessoa do físico, podia ser usado para tudo” (p-11).


E assim temos a mão livre de Mariana, que aborda a narrativa com as cores e projecções do seu imaginário, livre também, mas igualmente impregnado de uma cultura visual que faz parte do século XX , a sua primeira metade, em que imperam liberdade, por vezes libertária, mas sempre de grande inovação criadora. 

Yvette Centeno

1 comment:

Literando a vida said...

Yvette tudo bem?
Eu amei seu rico trabalho de descrição sobre as obras que lê e pelo que pude perceber se aprofunda.
Obrigado.
Um grande abraço
Walter