Tuesday, October 13, 2015

Prévert, Les feuilles Mortes


Les Feuilles Mortes / As Folhas Mortas / Autumn Leaves
Jacques Prévert poema
Joseph Kosma composição


Oh queria tanto que tu te lembrasses
Dos dias felizes em que éramos amigos
Naquele tempo a vida era mais bela
E o sol ardia, muito mais do que agora

As folhas mortas são varridas do chão
Como vês ainda não me esqueci
As folhas mortas são varridas do chão
Memórias e lamentos vão com elas também

E o vento norte leva tudo para longe
Para a noite fria do esquecimento
Como vês, ainda não me esqueci
Da canção que tu então me cantavas

É uma canção, igual a nós,
Tu gostavas de mim, eu gostava de ti
E vivíamos os dois sempre juntos
Tu que me amavas e eu que te amava a ti

Mas a vida separa os que se amam
Devagarinho sem se fazer ouvir
E o mar apaga na areia
o rasto dos amantes desunidos

É uma canção, igual a nós,
Tu gostavas de mim
E eu gostava de ti
E vivíamos os dois sempre juntos
Tu que me amavas, eu que te amava a ti

Mas a vida separa os que se amam
Devagarinho sem se fazer ouvir
E o mar apaga na areia
o rasto dos amantes desunidos


(trad. Yvette Centeno)








2 comments:

O Grunho said...

Muito obrigado pela tradução de uma das mais belas canções

joana gama said...

Muito Obrigada!
Oiço tantas vezes estes versos na voz de Antonio Zambujo.