Friday, April 17, 2015


Miguel Ângelo Rocha
ANTES E DEPOIS, no CAM
Uma instalação feita de fios, de nós, ora feitos ora desfeitos e que começa no átrio, delicadamente,  entra pelo tecto para o interior da sala, que é confortável e onde nos deixam sentar.
Olhamos para cima, para a frente, para o lado, percebemos que aqueles fios que em si mesmos são um verso e reverso moebiano, seguem por uma parede lateral para outros espaços onde um som flutuante os aguarda, resguarda, e a nós, mais atentos, de vez em quando espanta.
Espanto é a palavra certa, roubada a um Aristóteles de Antes, que se mantém ainda hoje, no seu perpétuo Depois.
O título foi riscado pelo artista, que não quer Antes e depois - quer
o eterno verso e reverso do devir.
A outra palavra seria, depois do Espanto, o Devir.
Aqueles fios longos, enrolados ou desenrolados, fluem, como levados por uma onda que nascesse da alma.
Estamos perante uma obra que assim quase indefesa, de tão suspensa, nos aponta a suspensão e o devir do Tempo, o que faz e desfaz todos os nós, o que ata e desata todos os fios, o Tempo com a bocarra imensa que devora os seus filhos, de antes e depois, de outrora como agora.
Contemplemos ainda a delicadeza daquela tecitura de madeira, virada e revirada de modo a que da secreta união pouco ou nada se adivinhe.
Guarda o mistério que foi o do momento em que surgindo a ideia logo tenha surgido o balançar da composição das harmonias sonoras: do nada, do quase nada...
Olha-se, vê-se e ouve-se, na maior discrição.
Uma obra para ser contemplada, e em parte, à medida que o tempo vai passando, o antes e o depois se deixem desvendar.

1 comment:

Nilda Maia said...

Olá, Vi que seu BLOG é muito bom, com um conteúdo pleno de assuntos sobre novidades em livros. Tudo que se fala sobre literatura fico de olho. Gostei tanto que de agora em diante, vou seguir de perto as suas novidades . Tenho um BLOG novo e gostaria que você desse uma visitinha por lá : abraços NILDA http://oslivrosdaminhabiblioteca.blogspot.com.br/