Sunday, July 24, 2016

Rilke, A Vida de Maria

Rainer Maria Rilke (1875- 1926)

Das Marien-Leben
A Vida de Maria


O Nascimento de Maria

Ah, como deve ter sido difícil, aos Anjos,
não irromper em cânticos, como quem desata a chorar,
pois sabiam: era a noite em que o menino teria a sua mãe,
ele, o Único, que em breve nasceria.

Esvoaçando, em silêncio, mostraram o caminho,
indicando a morada solitária de Joaquim,
sentindo, em si mesmos e à sua volta, o puro condensar
mas sem que nenhum pudesse ir descendo até ele.

Pois o casal estava já numa tal comoção que
veio uma vizinha e avisou mas sem bem entender
e o velho, cauteloso, saiu, perturbando o obscuro
mugido de uma  vaca. Pois nunca tal coisa acontecera.



A Apresentação de Maria no Templo

Para entender como ela era outrora
tens primeiro de imaginar um espaço
em que se ergam colunas e os degraus
se sintam sob os pés; em que arcos
de ogiva perigosos se unam sobre o espaço
que ainda em ti ficou, pois foi feito
de tais matérias que não mais poderás
retirá-las de ti, a menos que te despedaces
igualmente. Se já atingiste o ponto em que
tudo em ti se transformou em pedra, muro,
escada, visão, abóbada, - tenta afastar um pouco
a espessa cortina que tens diante de ti:
aí estarão brilhando os gloriosos objectos,
que te suspendem a respiração, e paralisam os gestos.
Por todo o lado palácios e mais palácios
terras que se estendem por mais terras
e ressurgem mais longe em tantas margens
que tu sentes vertigens só de vê-las.
Uma nuvem de incenso turva o ar que respiras;
mas sobre ti incidem os raios, vindos de longe,
e se agora o fulgor que emana das taças chamejantes
se projectar sobre as vestes que de ti se aproximam:
como poderás resistir?

Mas ela veio e ergueu
os olhos para tudo contemplar.
(Uma criança, uma menina pequena entre mulheres).
Depois subiu, em silêncio e cheia de compostura,
perante um fausto que já em destroços se curvava,
tão grande era o louvor ultrapassando o que ali
por mão de homem se tinha construído

no seu coracão. Pelo prazer
de se entregar aos íntimos sinais.
Os pais tinham pensado erguê-la
até ao assustador peito coberto de jóias
que a receberia; mas ela foi passando por todos 
de mão em mão, pequena como era,
entregue ao seu destino, mais alto que as abóbadas
já pronto à sua espera e mais pesado que o templo.



Anunciação a Maria

Não foi a aparição de um Anjo (reconhece)
que a assustou. Nem de outros, quando
um raio de sol ou de luar à noite
os reflectem no quarto desfilando,
se inquieta ela com a forma que um Anjo
possa ter assumido; mal suspeitando que
esta presença pudesse para o Anjo ser incómoda.
(ah se soubessemos como ela era pura. Certa vez,
avistando uma gazela a repousar na floresta,
de tal modo a penetrou com o seu olhar que
mesmo sem acasalamento nela se gerou  o unicórnio,
a criatura de luz, a pura criatura - ).
Que ele entrasse, o Anjo, e com um rosto de adolescente
se debruçasse e a fixasse de tal modo que o olhar dela
e o seu se confundissem, como se de repente lá fora
tudo se esvaziasse, e o que era visto, procurado, levado
por milhões de homens nela se concentrasse: só ela e ele.
Contemplação e contemplado, olhar e prazer de ver,
em nenhum outro lugar a não ser neste - : repara,
é assustador! E ambos se assustaram.

Foi então que o Anjo cantou a sua melodia.



Visitação de Maria

Ao princípio tudo lhe foi fácil,
embora nas subidas já sentisse
o milagre operado no seu corpo
e parasse para respirar no alto

das colinas da Judeia. Mas não era a terra,
era a sua plenitude que enchia a paisagem.
Sabia, ao caminhar, que nada ultrapassaria
a grandeza sentida naquele momento.

Já se apressava para pousar a mão
no outro corpo, de tempo mais avançado.
E as mulheres foram ao encontro uma da outra
cambaleando, acariciando as vestes e o cabelo.

Cada qual, carregando o fruto precioso,
encontrava na outra o seu abrigo.
Ah, o Salvador era nela ainda flôr
mas o Baptista, no seio da comadre,
já desatara aos saltos de alegria.



A Desconfiança de José

E o Anjo falou e esforçou-se
por explicar ao homem de punhos cerrados:
então não vês em cada linha do seu rosto
que ela é tão fresca como a aurora de Deus?

Mas o outro fixava-o de semblante sombrio
e apenas murmurava: o que a transformou assim?
Então exclamou o Anjo: carpinteiro, não percebes
ainda que esta é a obra do Senhor Deus?

Só porque talhas as tábuas, com orgulho,
queres obrigar a que fale contigo aquele
que em segredo, dessa mesma madeira,
faz crescer as folhas e rebentar os botões?

Compreendeu. E ao erguer os olhos
de verdade assustados para o Anjo,
viu que ele tinha ido embora.
Tirou então da cabeça, lentamente,
o espesso gorro. E entoou o louvor.






Anúncio aos Pastores

Levantai-vos, homens! Homens ali em torno da fogueira,
que conheceis os infindáveis céus,
que sabeis ler as estrelas, vinde ! Olhai, eu sou
uma nova estrela que se ergue! Todo o meu ser arde
e irradia com uma tal intensidade a plenitude tremenda
de uma luz que o firmamento profundo não chega
para a conter. Deixai que o meu fulgor penetre
a vossa existência: a escuridão do olhar, a escuridão
dos corações, dos destinos nocturnos, 
que são os vossos. Pastores, como estou só
entre vós todos. De repente se me abre um espaço.
Não estáveis admirados?A grande árvore de pão
lançava uma sombra. Sim, era a minha sombra.
E vós, os sem temor, se soubésseis como
agora brilha o futuro nos vossos rostos
erguidos. Nesta luz forte muita coisa
virá a acontecer. É a vós que o confio,
pois sabeis guardar bem um segredo; a vós,
crentes fiéis, aqui ao redor tudo vos fala.
Falam o calor e a chuva, o vôo dos pássaros,
o vento e o que sois, nenhuma coisa
prevalece sobre a outra, enchendo-se de orgulho
e arrogância. Não guardais as coisas dentro do peito
para as poder torturar. Assim como de um Anjo
escorre o seu prazer, assim se concentra em vós
o que é Terreno. Mesmo que de repente
um arbusto de espinhos se inflamasse,
e que o Eterno  através dele vos chamasse,
o Querubim, e se aproximasse,
estando vós em repouso junto aos  rebanhos,
nem assim o espanto vos tocaria:
de joelhos e rosto colado ao chão,
rezando, a isto chamaríeis Terra.


Assim foi. Agora um Novo deve ser,
Que alargará mais ainda a órbita da terra.
Que nos importa um espinheiro? Deus
compraz-se no seio de uma Virgem.Eu sou
o brilho da sua intimidade, que servirá de guia.



Nascimento de Cristo

Não fosse a tua simplicidade, como poderia
acontecer o que agora ilumina a noite?
Vê: o Deus que trovejava sobre as nuvens
Faz-se benigno e vem ao mundo em ti.

Imaginavas que ele fosse maior?

O que é a grandeza? Através de toda a matéria
que atravessa, segue o seu destino.
Nem uma estrela tem igual caminho.
Vês, estes reis são grandes,

mas rastejam diante de ti

os tesouros, que se julgavam os maiores,
-e tu talvez te espantes com este dom-
vê agora nas pregas do teu vestido
como ele já ultrapasou tudo o que existe.

Todo o âmbar, embarcado ao longe,

cada jóia de ouro e o perfume das especiarias,
que se espalham e perturbam os sentidos:
foi tudo de pouca duração
 que depois se lamentou.

Mas Ele (como verás) alegra os corações.


Repouso
Na Fuga para o Egipto

Aqueles que exaustos e mal podendo andar  
Iam fugindo da matança das crianças
eram cada vez mais numerosos
nesta sua peregrinação.

Bastava um tímido olhar para trás
com o seu receio a abrandar um pouco
e logo eram postas em perigo cidades
inteiras que a sua mula cinzenta atravessava.

Pois embora tão pequenos na vastidão das terras,
um quase-nada, quando se aproximavam dos templos
os deuses se quebravam, como que traídos
e por completo perdiam o sentido.

É concebível que ao longo do caminho
tudo se consumisse com tal irritação?
E até de si mesmos ficavam com receio,
consolando apenas a criança, que não tinha nome.


 Mesmo assim, como era grande o cansaço
tiveram de parar por um momento.Foi então...
que a árvore, sob a qual se acolhiam,
se inclinou como que a servi-los:

Inclinou-se. A mesma árvore, da qual
se faziam as grinaldas que ornavam
para a eternidade as frontes dos faraós
falecidos, inclinou-se. Sentia que novas coroas
iriam florescer. E eles ali sentados, como num sonho.

Nas Bodas de Canaan

Como seria possível não ter orgulho nele
que para ela embelezava as coisas mais banais?
pois se até mesmo a noite grandiosa parecera
exceder-se quando ele apareceu?

 E daquela vez, quando se tinha perdido,
não se transformou tudo em incrível motivo de glória?
Os ouvidos dos mais Sábios não foram trocados pela boca?
E a casa

não se renovou  ao som da sua voz? Ah,
certamente que ela já por mais de cem vezes
se impedira de lhe mostrar a sua alegria radiosa.
Seguia atrás dele, com o seu espanto.

Mas ali, naquelas bodas festivas,
quando de repente o vinho começou a faltar,
olhou para ele, pedindo-lhe um gesto, sem
compreender que ele não a atendesse.

E ele então acedeu. Só mais tarde compreendeu ela
que o tinha empurrado para o seu destino:
porque agora sim se transformara em fazedor de milagres,
e todo o Sacrifício já estava a ser imposto,

inexoravelmente. Sim, estava escrito.
Mas naquele momento estaria já decidido?
Ela: fora ela a precipitar a hora,
na cegueira da sua vaidade.

À mesa, cheia de frutas e legumes
festejou com os outros, sem compreender
que a água das suas lágrimas profundas
se tinha transformado em sangue, com este vinho.  

Antes da Paixão

Ah, se assim o desejasses, não terias
de nascer num corpo de mulher:
os Salvadores forjam-se nos montes
onde o que é duro se extrai da rocha dura.

Não sentes pena, ao ver assim devastado
o teu vale amoroso? Repara na minha fraqueza:
tenho apenas rios de lágrimas e leite,
e tu estiveste sempre acima de qualquer medida.

Com um tal fausto me foste prometido
antes saísses logo de mim, como animal selvagem...
Se afinal só precisas de tigres que te despedacem
por que fui eu criada em casa, entre mulheres

que me ensinaram a tecer-te um pano tão puro
e tão macio, sem ter sequer um ponto de costura
que à noite pudesse magoar – tal foi a minha vida
inteira, e agora de repente invertes a natureza.


Pietà

Agora é total a minha dôr, e indizível
enche-me o peito por completo.Fixo-te,
com a fixidez do interior da pedra.
Dura como sou, sei apenas isto:
cresceste –
... e cada vez mais foste crescendo
até que em dôr ainda maior
ultrapassaste a medida
do meu coração.
Agora jazes, atravessado no meu colo,
mas eu não posso dar-te à luz
 outra vez.
Consolação de Maria
junto do Ressuscitado

O que outrora sentiram: não foi
mais doce que qualquer mistério
e ao mesmo tempo tão terreno?
Quando ele, um pouco pálido ainda 
do seu túmulo, aliviado se aproximou,
ressuscitado plenamente.
Perante ela, em primeiro lugar. Ei-los
ali, sem palavras, em plena santificação.
Sim, estavam a curar-se, era isso. Não
precisavam de se tocar um ao outro.
Ele mal pousou, durante um segundo apenas,
a sua mão eterna no ombro feminino.
E começaram,
em silêncio como as árvores na Primavera,
ao mesmo tempo e para sempre
esta Idade
da sua suprema união.



Da Morte de Maria

I

O mesmo Anjo enorme, que outrora
lhe tinha feito o anúncio do parto,
estava ali, aguardando que ela desse por ele
e disse: chegou agora o momento da tua Aparição.
E ela assustou-se, como outrora, revelando-se
de novo como Virgem que plenamente aceitava
servir. Ele irradiava, numa proximidade sem fim,
e diante dela desapareceu chamando os Apóstolos,
que estavam longe, para que se juntassem na casa
da colina, a casa da Última Ceia.Vieram angustiados
e entraram receosos: ali estava, deitada
em estreita cama, aquela que misteriosamente
tinha sido a eleita e agora declinava, num corpo
virginal e intocado, ouvindo os Anjos cantar.
Mas quando os viu, fixando-a por trás das velas,
aguardando, interrompeu o êxtase em que as vozes
a tinham mergulhado e ofereceu, num gesto amigo,
os dois vestidos que ainda possuía, erguendo o rosto
ora para um, ora para outro...
( Oh fonte de infinitos rios de lágrimas!).

Mas cada vez mais cedia à sua fraqueza,
fazendo descer até Jerusalém os céus que,
de tão próximos, à alma que partia exigiriam
apenas um ligeiro esforço, e já aquele
que dela tudo sabia a levava consigo
recebendo-a na sua divina natureza.


II

Quem pensaria que até à sua chegada
o céu imenso estaria incompleto?
O Ressuscitado tinha ocupado o seu lugar,
mas a seu lado, durante vinte e quatro anos,
um trono tinha ficado vazio. E já estavam
a acostumar-se a essa falha pura, que parecia
fechar-se com a jubilosa  glória do seu filho.

Assim que também ela, ao entrar no céu,
não se dirigiu a ele, por muito que o desejasse.
A seu lado não havia lugar, só Ele permanecia ali
brilhando com um tal fulgor que a magoava.
Mas no momento em que esta criatura comovente
se ia reunir a todos os outros eleitos, e discreta
de luz em luz, buscava o seu lugar, ergueu-se
do seu ser, nas suas costas, um tal fulgôr que,
o Anjo que iluminava exclamou, quase cegando:
quem é ela? Foi grande o espanto.E então todos viram
como Deus-Pai, lá em cima, retinha o Senhor,
de modo a que, envolto num crepúsculo suave,
o lugar vazio fosse visto, como ligeiro sofrimento,
réstea de solidão, como algo que ele ainda tivesse
transportado, resto de tempo terrestre, de cicatriz
secando...viraram-se a olhar para ela, que fixara ao longe
o seu olhar, inquieta, inclinada para a frente, como se sentisse:
eu sou a sua dôr maior, perdendo os sentidos, de repente.
Mas os Anjos pegaram nela
e levaram-na cantando, abençoados,
e ergueram-na até ao seu mais alto grau.


III

Mas antes do Apóstolo Tomás, que veio
tarde demais, chegou o Anjo veloz,
já se preparara com antecedência,
e que ordenou, junto ao ao túmulo:

Afasta a pedra para o lado. Queres saber
onde ela está, a que te comoveu o coracão,
então olha: como um ramo de lavanda ali foi
depositada por instantes,

para que na terra ficasse depois entranhado
o seu perfume, como um tecido precioso.
Toda a morte ( pressentes isso) todo o sofrimento
é envolvido pelo seu perfume.

Vê a mortalha:que aclarador haveria
que a branqueasse sem a fazer encolher?
Esta luz que emana do cadáver puríssimo
foi o que a tornou mais clara do que a luz do sol.

Não te espanta que ela a tenha deixado com tamanha doçura?Tudo na mesma, como se ainda aqui estivesse.
Mas lá no alto os céus estremeceram:
Homem, ajoelha-te, contempla e canta um louvor comigo!


Trad. Yvette K.Centeno
(para os Amantes de Rilke...)